segunda-feira, novembro 06, 2017

Diálogo do Papa Francisco com os astronautas na estação espacial internacional

Papa Francisco - Good morning you all!
Paolo Nespoli (astronauta italiano) - Vossa Santidade, bom dia. Bem-vindo à Estação espacial internacional, entre nós, entre a tripulação da expedição 52 e 53.
Papa Francisco - Bom dia!... ou boa noite... porque, quando se está no espaço, nunca se sabe! Querido doutor Nespoli, queridos astronautas, penso que ali na Estação espacial os dias correm de forma diferente, não é assim? Agradeço a vós e a quantos organizaram esta ligação, que me dá a oportunidade de “vos encontrar” e de vos dirigir algumas perguntas. Começo imediatamente com a primeira. A astronomia faz-nos contemplar os horizontes ilimitados do universo, e suscita em nós as seguintes interrogações: de onde vimos? para onde vamos? Peço-lhe, doutor Nespoli: à luz das suas experiências no espaço, o que pensa acerca do lugar do homem no universo?

DISCURSO DO PAPA FRANCISCO AOS PARTICIPANTES NA CONFERÊNCIA "(RE)THINKING EUROPE"

Sinto-me feliz por participar neste momento conclusivo do Diálogo (Re)Thinking Europe. Uma contribuição cristã ao futuro do projeto europeu, promovido pela Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE). Saúdo de modo particular o Presidente, Sua Eminência o Cardeal Reinhard Marx, assim como o Dep. Antonio Tajani, Presidente do Parlamento Europeu, aos quais agradeço as deferentes palavras que há pouco me dirigiram. A cada um de vós desejo expressar vivo apreço por terdes participado tão numerosos neste importante âmbito de debate. Obrigado!

Novo escândalo: O que são os Paradise Papers?

É uma nova fuga de informação global, que envolve mais de 13 milhões de documentos que vêm trazer luz sobre as operações feitas através dos paraísos fiscais. Depois dos Panama Papers, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação traz agora a público revelações que vão desde os negócios do secretário do Comércio de Donald Trump com o círculo próximo de Vladimir Putin, aos investimentos da rainha de Inglaterra. Perceba através deste vídeo de quatro minutos o que são os Paradise Papers, e que novas revelações vêm trazer sobre as operações offshore de algumas das pessoas mais poderosas do mundo (Expresso)

Venezuekla: Maduro ordena refinanciar toda la deuda externa

El gobierno bolivariano procederá a refinanciar y reestructurar la deuda externa de Venezuela, que se calcula gira en torno a 150.000 millones de dólares (128.689 millones de euros). El anuncio, realizado por Nicolás Maduro, precede al último pago de 1.121 millones de dólares, que se realizará este viernes para la liquidación del bono 2017 de Petróleos de Venezuela (Pdvsa)."Decreto un refinanciamiento y una reestructuración de la deuda externa y todos los pagos de Venezuela", adelantó el mandatario, tras los rumores de default, ya tradicionales pero que se multiplicaron en los últimos días. "Nuestra intención es seguir cumpliendo internacionalmente, pero nuestra intención (también) es que cese la persecución financiera de los bancos y organismos internacionales contra Venezuela", se defendió Maduro, quien hablando en primera persona aseguró tener el dinero para "las importaciones que necesitamos".

Venezuela: Freddy Guevara se refugia en la Embajada de Chile

Freddy Guevara, vicepresidente del Parlamento venezolano, eludió este sábado la vigilancia del Servicio Bolivariano de Inteligencia (Sebin) para lograr refugiarse en la Embajada de Chile en Caracas, ante los rumores de su inminente encarcelamiento. El Tribunal Supremo de Justicia (TSJ) emitió el viernes una sentencia que enfrentaba al dirigente de Voluntad Popular (VP) a la misma suerte que el líder de su partido, Leopoldo López, pese a contar con inmunidad diplomática protegida por la Constitución Bolivariana. La presión de los agentes del Sebin, que rodearon su casa, y las declaraciones beligerantes de los jefes revolucionarios acabaron de convencer a Guevara, que ha seguido los mismos pasos que cinco magistrados de la Corte Suprema de Justicia nombrada por el Parlamento.

Presos de ida y vuelta en Venezuela

El chavismo libera al opositor Yon Goicoechea y prepara la encarcelación de Freddy Guevara. "Venezuela, todo pasa, todo se supera. Hoy con mi familia... Dios con nosotros". Yon Goicoechea, preso político del chavismo durante 14 meses, ha celebrado su libertad abrazado a su mujer y con la montaña caraqueña del Ávila a sus espaldas. El dirigente de Voluntad Popular (VP), partido de otro prisionero político, Leopoldo López, abandonó a medianoche del viernes su encierro en las mazmorras de la siniestra sede del Servicio Bolivariano de Inteligencia (Sebin). El caso del político hispanovenezolano despertó el repudio internacional porque desde hace 12 meses su abogado poseía la orden de libertad firmada por el juez de su caso. De nada sirvió. El Sebin, bajo el mando del vicepresidente Tareck El Aissami y bajo la órbita del radical Diosdado Cabello, no sólo se negó a liberarle, como era su obligación tras la orden judicial.

Reportagem TVI: O Cartel do Fogo TVI


TVI: O Cartel do Fogo - Quem Ganha com os Incêndios em Portugal


SIC-Notícias: A Ruína - Episódio 2: Justiça Cega

Neste episódio da Grande Reportagem que mergulha no escândalo do BES, é detalhado o peso na justiça de uma marca arruinada. Os emigrantes lesados que perderam as poupanças no banco de Ricardo Salgado perdem, igualmente, os processos nos tribunais cíveis. Mais um passo na viagem interminável de uma queda...

SIC-Notícias: A Ruína - Episódio 1- O Conto do Vigário


SIC-Notícias: Expresso Da Meia Noite (03 Novembro 2017)


CMTV: LIGA D'OURO (03 Novembro 2017)


SIC-Notícias: Quadratura do Círculo (02 Novembro 2017)


Porto Canal: Universo Porto da Bancada (31 Outubro 2017)


SIC-Notícias: O Dia Seguinte (30 Outubro 2017)


SIC-Notícias: O Eixo Do Mal (28 Outubro 2017)


Caritas: Alrededor de 300.000 niños podrían morir por desnutrición en Venezuela

Antes que pagar la deuda externa, el gobierno venezolano debería atender las necesidades básicas de su población que está en el umbral de una hambruna y sometida a las epidemias que habían desaparecido hace 60 años, lo que ha llevado a Cáritas a declarar «la emergencia humanitaria» en Venezuela. Susana Rafalli, representante de Cáritas, una organización social de la iglesia católica, ofreció una rueda de prensa a los corresponsales extranjeros para alertar sobre la grave situación que viven los venezolanos que han escalado de la crisis de alimentos a la emergencia humanitaria.

Venezuela: Alertan de que la epidemia de malaria avanza sin control

La epidemia de malaria avanza sin ningún control en Venezuela. En Bolívar, estado del sur del país donde la incidencia está siendo mayor, se han registrado unos 206.240 casos y existe el riesgo de que se propague porque escasean las medicinas para prevenirla o no hay suministro desde el pasado julio. Hasta el pasado 21 de octubre pasado se ha registrado un aumento de los casos del 42%, según datos extraoficiales de Sanidad, divulgados pese a la censura epidemiológica del régimen de Nicolás Maduro, que oculta las cifras para no alarmar a la población sobre la gravedad de la crisis sanitaria.

Caracas deja de pagar la deuda a los organismos internacionales de ayuda al desarrollo

El chavismo confirma que Venezuela sufre hiperinflación. Una de las señales de que un país está, literalmente, sin dinero, es que no pague, o lo haga tarde, a los organismos multilaterales. Por definición, esas instituciones son las que siempre reembolsan los créditos que reciben, en parte porque éstos son en condiciones muy favorables para los prestatarios -con intereses inferiores a los del mercado y, a menudo, con periodos de carencia-, sino también porque, si esas instituciones no cobran, es porque el país es insolvente.Ése es el caso de Venezuela. En la actualidad, ese país está pagando con retraso a las dos principales agencias de desarrollo internacionales para América Latina: el Banco Interamericano de Desarrollo (BID, con sede en Washington) y el Banco de Desarrollo de América Latina (que mantiene las siglas CAF de su denominación originaria, Corporación Andina de Fomento, y cuyas oficinas centrales están, precisamente, en Caracas).

Padre Giselo: 1000% de solidariedade e que a paz esteja consigo

A igreja madeirense confrontou-se com um caso - se é que o podemos chamar assim - envolvendo o pároco do Monte, o padre Giselo (na foto de Rui  Marote, Funchal Notícias). Não conheço o sacerdote, acho que nunca falei com ele na minha vida. Mas não posso deixar de manifestar a minha total solidariedade e incondicional apoio ao padre. Pela coragem que teve - e porventura se não tivesse carácter ter-lhe-ia sido mais fácil optar por soluções menos problemáticas para ele - e pela dignidade demonstrada. Ao contrário do que aconteceu durante anos, décadas, na Igreja portuguesa e mesmo regional, com casos habilmente camuflados em esquemas familiares que apenas ocultaram a realidade. O padre Giselo deu também a esses um sinal. Não apenas um sinal dos tempos - porque a Igreja continua com uma enorme dificuldade em entender que os tempos mudaram (e mudam) rapidamente, e que ela própria, criação dos homens, ou se adapta ou é ultrapassada e riscada do mapa devido ao seu consevadorismo patético - mas um sinal de que entramos numa nova era também para a religião e as igrejas e para-igrejas que a reboque dela existem
O padre Giselo realizou um trabalho por todos aplaudido, sempre foi apoiado pelos paroquianos, mesmo que porventura alguns possam ter ficado surpreendidos. Os jovens são os jovens. As coisas muitas vezes acontecem, fogem ao nosso controlo, mas no caso do padre Ggselo não acredito que ele seja menos padre ou que se considere menos ao serviço de uma religião, de um Deus ou de uma teologia, só porque decidiu, corajosamente, assumir a paternidade de uma criança nascida em Agosto e que resultou, segudo noticiado, de um relacionamento mais intenso com uma antiga colega de universidade.
Eu olho para o padre Giselo e vejo um padre, mas antes de tudo vejo um homem e mais do que tudo vejo um jovem que mostra - e que porventura constitui a prova disso - que a Igreja deve mudar e deixar-se de regras que de divino nada têm, já que as "leis", as inibições, as proibições, e tudo o mais, são resultado de imposições dos homens, ao longo dos séculos e não por legado divino seja de quem for e a quem for.
Eu próprio adaptei-me muito, com o tempo, aos novos tempos, e tenho hoje dificuldade em aceitar muita coisa que no passado me foi sendo repetidamente imposta como dogmas. O problema é que quando olhamos para esse percurso, para tudo o que envolveu, por exemplo, a elaboração a Bíblia, para as distorções, adaptações, deturpações, etc que aconteceram ao longo dos anos, concluímos que, sem colocar em causa a fé de cada um e a crença que, mais ou menos, todos temos, de que haverá alguma coisa de inexplicável algures, a Igreja é sobretudo uma criação dos homens para servir determinados objectivos concretos. Estamos a falar da mesma igreja, melhor dizendo, da mesma organização dos tempos da da inquisição, das selvajarias históricas na colonização, dos Bórgias no Vaticano, da corrupção financeira, das relações com a loja maçónica P2, dos escândalos da pedofilia, da lavagem de dinheiro, etc. Estamos a falar de uma organização de homens, é certo, com tudo o que isso, por si só, de mais perverso acarreta.
Cabe aos homens a obrigação, diria o dever, de entenderem o padre Giselo e em vez de andarem a apontar-lhe o dedo acusador, perceber que ele próprio - e a sua colega de universidade - deram-nos uma lição de vida e uma tremenda chapada. 
Parabéns padre Giselo, não ceda, mantenha-se firme onde deve estar, empenhado da mesma forma numa causa que já lhe roubou muitos anos de vida, porventura os seus melhores anos de vida, e que não tem autoridade, nenhuma autoridade, para o julgar ou punir. É caso para dizer, sem generalizar obviamente, que no seio da estrutura dirigente da Igreja que porventura é a primeira a querer sacrificar o padre na praça pública, quem não tiver telhados de vidro que atire a primeira pedra. Um abraço (LFM)

Nota: li que o assunto do padre Giselo foi colocado ao Vaticano? Ao Vaticano? Ressalvando o Papa Chico, estamos a falar do mesmo Vaticano que é um antro da intriga, do deboche, da corrupção, da pedofilia, da patifaria e de tanta coisa mais que apenas determinados procedimentos têm conseguido manter longe da opinião pública? É este Vaticano que vai julgar o padre Giselo? Com  que autoridade? Com que moral?

domingo, outubro 29, 2017

Nenhum deles...

Vamos a ver se nos entendemos de uma vez por todas, até para que as pessoas percam tempo comigo ou façam deduções erradas. Eu acho que o PSD não pode continuar refém de uma confraria elitista, alegadamente elitista, que vai e vem, mas que não larga o osso. O PSD não é quinta dessa gentinha nem as bases devem tolerar que se transforme num palco de disputa de vaidades pessoais ou caganças trituradas ao longo dos anos, que não levarão o PSD a lado nenhum. Eu acho que o PSD, depois do desastre recente e dos resquícios lamentáveis que essa página ainda deixa, precisa de limpar essa gentinha, precisa de uma terceira via, precisa de nova vida, de se reencontrar, de se refundar, de retomar os trilhos que justificam a sua existência e a sua razão de ser, enquanto ideologia, projecto programático e objectivos sociais e políticos. Recuso o oportunismo saloio e aventureirista de mais do mesmo. Recuso submeter-me a pretensos salvadores da pátria que não salvam coisa nenhuma. Com estes não voto, não participo, contribuo antes para a abstenção e para a ilegitimação do que for eleito. Temporariamente eleito. Tenho medo de um passismo encapotado a pensar mais em tachos futuros do que em resolver os males criados ao PSD e que continuam a afundá-lo. Desconfio desta ideia terrível de que um partido como o PSD não tem alternativas senão a de ir à sua "dispensa" buscar gente que há mais de 40 anos por cá anda, no poder ou nas margens dele, e que vive do mediatismo na comunicação social, sendo por isso mais uma "obra" de parte de interesses que também se cruzam e conflituam nos meios de informação do que processos naturalmente despoletados ou nascidos no seio dos próprios partidos. Não, não me metam por favor nessa trapalhada que, como veremos com o tempo, será rasteira e rafeira.

domingo, outubro 22, 2017

Funchal: as geringonças locais andam com memória curta ?

Eu acho piada com o facto de haver por aí gente incomodada com o que se passou na eleição da mesa da Assembleia Municipal do Funchal como se tivesse sido cometido um qualquer crime de lesa-pátria! Memórias curtas dá nisso.
Alguns adeptos da geringonça nacional - ou já não sabem do que se trata e de como nasceu? - irritam-se, incomodam-se, dão livre expressão ao seu protesto e indignação.
É caranguejola para a direita, caranguejola para a esquerda. Mas quanto à quase defunta geringonça - PCP e Bloco foram dois dos derrotados nas eleições de 1 de Outubro, digam o que disserem, disfarcem a realidade como disfarçarem - nada, nem um  pio.
Vamos recordar porque como diz o poema, recordar é viver a essas memórias curtas, doentiamente sectárias e curtas, os factos, a realidade incontornável dada pelos números (depois é tudo com a negociação e a habilidade política de saber negociar):

a) Eleições para a Assembleia da  República (2015)
- Coligação PSD-CDS - 36,86, 1.993.921 votos (102 deputados)
- PS - 32,31%, 1.747.685 votos (86)
- Bloco - 10,19%, 550.892 votos (19)
- PCP - 8,25%, 445.980 votos (17)
- PSD (ilhas) - 1,50%, 81.054 votos (5)
- PAN - 1,39%, 75.140 votos (1 deputado)

Nota: A coligação PSD-CDS foi a mais votada mas não tinha maioria absoluta dos mandatos. Estamos a falar do parlamento nacional! O que aconteceu? Negociações parlamentares colocaram no poder partidos que não ganharam eleições mas têm mais mandatos na Assembleia

b) Eleições autárquicas 2017 no Funchal (Assembleia Municipal)
- Coligação 21.693 votos, 389,7% (15 + 5 mandatos)
- PSD, 17.903, 31,9% (12 + 5 mandatos)
- CDS, 5.458, 9,7% (3)
- PCP, 2.616, 4,7% (1)
- MPT, 2.387, 4,3% (1)
- PTP, 1.478 votos, 2,6% (1)

Nota: Coligação foi mais votada mas não tinha maioria absoluta dos mandatos. Estamos a falar do parlamento municipal!  O que aconteceu? Negociações políticas colocaram na presidência da AMF a proposta de um partido que não ganhou eleições mas tinha com os seus parceiros de acordo mais mandatos na Assembleia

Comentário final: sejam  honestos, não sejam sectários, sejam sérios, não enganem as pessoas, não me lixem!

SIC-Notícias: Quadratura do Círculo (19 Outubro 2017)


Porto Canal: Universo Porto da Bancada (19 Outubro 2017)


SIC-Notícias: O Eixo Do Mal (14 Outubro 2017


Catalunha: e se o tiro sair pela culatra (para Madrid)?

Não tenho dúvida de que a situação na Catalunha está longe de pacificar-se e que o governo de direita em Madrid - apoiado pelo PSOE, decisão que está a causar demissões nos socialistas da Catalunha - em vez de resolver poderá ter aberto uma caixa de pandora. Oxalá esteja enganado. Continuo a pensar que a Catalunha não tem condições para ser independente, apesar de reclamar uma riqueza que também parece ser mais um mito que uma realidade. A Catalunha é também a região espanhola mais endividada. Aliás, nunca mais me esqueci um título de um jornal, julgo que há cinco ou seis anos, que resumia tudo e que continua actual: a Catalunha independente passa de região mais rica de Espanha e das mais ricas da Europa e um dos estados europeus mais pobres!
Resta saber como vai evoluir este conflito político entre federalistas e independentistas, até onde vão estes argumentos políticos entre a reclamação do direito à independência e a repetida teoria de uma Espanha una e indivisível. E, finalmente, qual o reflexo de tudo isto na realização de eleições regionais caso estas decorram com normalidade. Antes da farsa que foi o referendo independentista na Catalunha tinha a ideia de que se todos votassem em liberdade e com toda a legalidade garantida, o "não" ganharia. Hoje, depois de tudo o que se passou, e apesar de ter muitas dúvidas - sobretudo devido ao impacto negativo que a saída de empresas provocará na economia e no emprego catalão - espero que as coisas não se compliquem, mas para o lado oposto (LFM)

Respondam e não divaguem nem digam tontices

Deixei aqui uma série de questões visando saber que medidas foram tomadas pelos dois últimos governos em matéria de protecção da floresta e de protecção civil na lógica de saber quais as consequências dessas decisões e até que ponto elas  beneficiaram ou prejudicaram esses dois itens. Não se trata de "cravo ou ferradura" como foi referido por quem leu uma questão isolada das outras ou não percebeu o que estava subjacente a essas interrogações, sem poltiquices porque recuso brincar com coisas demasiado sérias.
O pior que pode acontecer é partidarizar os incêndios florestais e a protecção civil, num atentado à dignidade dos portugueses vítimas de tudo o que se passou e sobretudo à honra e memória dos que faleceram por causa deste drama dos mortos. E temo muito que a partidarização esteja instalada. De ambos os lados, da esquerda e da direita.
Cristas aparece com uma absurda moção de censura - devia esperar mais um pouco pelas medidas a anunciar, ou não, sábado pelo governo de Costa e pela remodelação. Cristas avançou antes disso tudo. Hoje no Público, Ascenso Simões, conhecido deputado do PS desanca um texto de opinião a líder centrista - ou tenta - enquanto ex-ministra denunciando medidas tomadas por esta que prejudicaram a floresta e o combate aos incêndios. É por aqui que devemos ir? Entendam porque temos que saber a verdade e conhecer esses dados todos. Respondam e deixem-se de tontices ou divagações idiotas (LFM)

Funchal: que fique a lição para o PCP...

O PCP tem uma forma "sui generis" de gerir os resultados eleitorais. No caso de terem algum sucesso, enchem peito e ninguém os segura. No caso de serem derrotados, ficam quase mudos, interiorizam tudo, mas ao menos não se envolvem em caças às bruxas nem fomentam noites de facas longas.
Por isso achei interessante - e arrisco apesar do voto secreto... - que o PCP na eleição da mesa da Assembleia Municipal do Funchal tenha votado exatamente em quem colocou na rua do executivo camarário da capital madeirense o...PCP! Eu até entendo, bem vistas as coisas. Esquerda é esquerda. Ponto.
A realidade é que entre 2013 e 2017 não se viu a diferença entre a Coligação no poder e o PCP na oposição (?). Os eleitores pelos vistos também não notaram diferença nunca e recusaram votar no desnecessário ou em "fotocópias".
Que ao menos fique a lição para o PCP!

CDS entala PCP e Bloco com moção

Tenho para mim que a evolução dos acontecimentos transformaram a moção de censura do CDS numa moção de confiança ao governo. E esta coisa do PCP e Bloco - claramente derrotados mas eleições autárquicas com resultados enxovalhantes - andarem a vender a ideia que são poder, sem estar no governo, vai acabar.  Depois da votação da moção PCP e Bloco vão pagar um custo político que os vai colocar muito mais "dentro" do poder da geringonça do que queriam que parecesse.

As negociatas com os aviões de combate a incêndios

Quanto custam, por dia, os aviões envolvidos no combate aos incêndios florestais? Quem vende esses serviços ao governo e quais as empresas envolvidas neste circuito altamente lucrativo e que tantas suspeitas levanta?

sexta-feira, outubro 20, 2017

Madeira autárquica-2018: como foram eleitos os mandatos nas Câmaras Municipais

Na sequência das posses das Assembleias Municipais, de quem dependem os executivos camarários, elaborei um quadro, reportando a algumas Câmaras Municipais, dos quais consta a eleição, por via da aplicação do método de Hondt dos diferentes mandatos. Estes quadros são elaborados com base nos resultados constantes da pagina oficial do MAI já que apesar dos esforços não tive acesso às actas de apuramento dos resultados finais nos diferentes concelhos da RAM. Reparem que nas Câmaras Municipais do Porto Santo e da Ponta do Sol não há maioria absoluta - ao contrário das restantes - o que implica a necessidade de acordos políticos para que os executivos funcionem.

Madeira autárquica 2018: os mandatos nas Câmaras e Assembleias Municipais

A propósito do que se passou hoje na Assembleia Municipal do Funchal, em que o PSD graças a entendimentos (pontuais?) com o CDS, com o MPT e provavelmente com um dos outros deputados municipais (PCP ou PTP) elegeu o Presidente da Mesa, Mário Rodrigues, deixando a Coligação de Cafofo e Rodrigo Trancoso do  Bloco apeados, e do que se passou na Ribeira Brava - onde o PSD facilitou a eleição do presidente da Assembleia municipal da coligação de Ricardo Nascimento - elaborei um quadro para que as pessoas percebam melhor do que falamos, quer nas Câmaras Municipais, quer nas Assembleias Municipais. Deste quadro constam ainda a totalidade dos mandatos nas Assembleias de Freguesia nos concelhos que escolhi para este trabalho. Lembro que os presidentes das Juntas de Freguesia são membros por inerência de funções das Assembleias Municipais.

quinta-feira, outubro 19, 2017

Marcelo passou a ser um "primeiro-ministro paralelo"...

Se dúvidas existissem, hoje elas ficaram dissipadas: MRS assume-se como uma espécie de primeiro-ministro paralelo na questão dos incêndios. António Costa que tire o "cavalinho da chuva" porque o Presidente não vai dar descanso a este governo nesta matéria. Acho que nenhum dos ministros com ligações ao dossier incêndios, nas suas diferentes vertentes mas sobretudo o da recuperação, terá descanso. Acho que 2018 será decisivo para este governo da geringonça e que se este processo falhar o executivo de Costa vai cair por decisão presidencial. É uma suspeita. (fotos da SIC-Notícias)

Florestas e incêndios: Alguém me responde?

a) Gostava de saber quais as medidas que o anterior governo da direita tomou que penalizaram o combate aos incêndios e vulnerabilizaram a preservação da floresta, incluindo extinção de serviços ou de empresas públicas ligadas a estas duas áreas;
b) Alguém me sabe dizer quais as verbas orçamentadas pelo anterior governo da direita, de Passos e Portas, destinadas ao combate a incêndios e quais os montantes orçamentados desde 2016 pelo actual governo da geringonça na mesma rubrica?
c) gostava de saber que medidas tomou o anterior governo liberal de direita, de Passos e Portas, que beneficiaram o combate aos incêndios e aceleraram a preservação da floresta.

Desafio: que acções de formação tiveram os bombeiros das corporações das zonas mais afectadas?

Gostava de saber quais as acções de formação promovidas nos últimos cinco anos para ou pelas corporações de bombeiros, de todas, existentes nas áreas mais afectadas pelos incêndios deste ano. E sobretudo quais as acções de formação direccionadas para combates a incêndios florestais. Gostava de saber também qual o número de bombeiros existentes em cada corporação atrás referida, nesta data e no dia em que entrou em funções o anterior governo de direita de Passos e Portas.

Ex-secretário de Estado de Passos Coelho suspeito na Operação Marquês

Sérgio Monteiro, antigo secretário de Estado no Governo de Passos Coelho, é suspeito num dos 15 novos processos autónomos da Operação Marquês. O Ministério Público desconfia que o antigo governante terá beneficiado um consórcio, que englobava o Grupo Lena, na construção e concessão do TGV.

Nome de Sócrates no inquérito europeu aos Panama Papers

O nome de José Sócrates e o dinheiro que alegadamente recebeu do Grupo Espírito Santo surgem no relatório da Comissão de inquérito do Parlamento Europeu aos Panama Papers. O documento, que resulta de 16 meses de investigação dos eurodeputados, deixa recomendações aos governos em matéria de branqueamento e lavagem de dinheiro.

Portugal: recordando quem foram os primeiros-ministros e os ministros da administração interna e das florestas desde 1974!!

Fiz o que alguém devia ter feito. Quem foram os primeiros-ministros e os ministros das florestas e da administração interna nos governos nacionais desde 1974? Isto para quem gosta de falar de floresta, de combate a incêndios, etc.

I governo provisório (1974)

primeiro-ministro: Palma Carlos
ministro da administração intena: Magalhães Mota (PSD)
Ministros das Florestas: não havia

II governo provisório (1974)

primeiro-ministro: Vasco Gonçalves
ministro da administração intena: Costa Brás
Ministros das Florestas: não havia

quarta-feira, outubro 18, 2017

Especial CMTV: Uma escuta aqui, uma escuta ali (14 Outubro 2014)


CMTV: Os Esquemas de José Sócrates (Setembro 2017)


Sócrates irrita-se com jornalista: "essa pergunta é uma afronta"...


Entrevista de José Sócrates na RTP (13/10/2017)


SIC-Notícias: O Eixo Do Mal (14 Outubro 2017)


Eminem arrasa Trump nos Prémio BET

É provavelmente o mais feroz ataque do rapper norte-americano Eminem contra o Presidente dos EUA, Donald Trump. O vídeo que Eminem decidiu levar aos Prémios BET de Hip Hop é uma sátira política em rima, que aborda vários temas quentes da atualidade norte-americana, como o protesto na primeira liga de futebol americano contra a discriminação racial ou a ajuda dos EUA a Porto Rico. Este já não é o primeiro vídeo de Eminem contra Trump, mas é o primeiro em que faz um apelo claro aos fãs e aos norte-americanos.

Venezuela. Oposição não aceita resultados oficiais das eleições para governadores

A aliança opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) rejeitou os resultados divulgados pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), que dão conta de que o chavismo elegeu 17 dos 23 governadores nas eleições de domingo. Nem a Venezuela nem o mundo acreditam nesse conto que nos contaram. Solicitámos aos comandos regionais que verifiquem todo o processo, que se audite tudo, inclusive nos Estados em que candidatos da Unidade (oposição) foram declarados vencedores”, disse o porta-voz da MUD. Durante uma conferência de imprensa em Caracas, Gerardo Blyde explicou que a não aceitação dos resultados se deve a violações da lei cometidas durante o processo, centros eleitorais que não abriram na hora estabelecida e à falta de testemunhas. “Que se audite todo o processo. Pedimos também aos candidatos que programem ações nas ruas em respaldo ao que estamos a denunciar. Estamos num momento muito grave para a República e o país. Vamos lutar para mudar este sistema eleitoral”, disse.

Caracas denuncia plano da UE para atacar democracia venezuelana

O ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, denunciou que a União Europeia está a preparar um plano para questionar os resultados das eleições regionais de domingo e atacar a democracia venezuelana. "Tal como advertimos, a UE e alguns dos seus Estados membros, subordinados a Trump (Donald, Presidente dos EUA) questionam a vontade do povo venezuelano", escreveu na sua conta na rede social Twitter. Segundo Jorge Arreaza "comprova-se assim o plano traiçoeiro e desesperado, concebido nas capitais europeias dias antes das eleições, para atacar" a democracia venezuelana. "Gostariam, na Europa, de contar com uma democracia real, onde os seus povos possam eleger livremente entre projetos realmente opostos", escreveu. Numa outra mensagem o ministro venezuelano refere-se à transparência e fiabilidade do sistema eleitoral da Venezuela.

A indignação de Sócrates....


Sócrates acusou a RTP de “pretender um espetáculo” antes da entrevista...


Passos esteve bem

Sou um crítico de Passos Coelho, sempre fui, acho que ele não deixa legado nenhum, acho que é o rosto de políticas das mais desumanas que alguma vez houve em Portugal - e nem a crise financeira nem a troika justificavam tanta insensibilidade e tanta falta de humanismo - além de que foi prejudicial para o PSD. Mas tenho que felicitá-lo pelas declarações feitas hoje em relação à demissão da ministra. Nada a dizer.

E a floresta? Já ninguém fala na floresta?

A ministra da Administração que se demitiu hoje, dois dias depois de afirmar que a sua demissão não iria resolver os problemas - embora a sua continuidade estivesse a fragilizar o governo de Costa, cego pelas sondagens... - fez o que afinal queria fazer depois de Pedrogão Grande e Costa não deixou.
O meu problema é que não entendo bem isto: a ministra agora demitida falhou porque a estrutura de combate aos incêndios é da sua responsabilidade e as suas escolhas falharam a começar por nomeados cujas licenciaturas foram aldrabadas e obtidas a martelo - a escola de Relvas!!!
Mas afinal quem é que falhou na questão da floresta? A ministra agora demitida? Não!
O ministro que tem a tutela sobre as florestas é um homem habituado a passar por entre os pingos da chuva, especialista espertalhão em sobreviver a todas as crises políticas no PS e que agora parece estar a querer colocar-se a um canto da sala enquanto assiste ao baile.
Portanto, o que tem a dizer o país ao ministro Capoulas dos Santos, Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural? Ou mesmo Miguel João de Freitas, Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural.
Afinal o debate que se tem realizado no país não é duplo? Não se tem ele centrado no falhanço dos dispositivos de combate aos fogos  e na protecção civil  mas também no que não foi feito e devia ser feito nas florestas? Não seria interessante desenvolver este tema centrado nos dois últimos anos em matéria de política florestal? (LFM)

Madeira: a remodelação e os juízos antecipados...

Tenho ouvido e lido, sobretudo lido, comentários sobre a remodelação operada no governo madeirense, que nem sequer entrou ainda em efectividade. Há mesmo quem avalie pessoas, se pronuncie sobre experiência, currículo, competência, perfil técnico e/ou político, etc. Não vou por ai, nunca fui, não vai ser agora. A maior desonestidade que se pode cometer é nos pronunciarmos sobre pessoas, sobretudo quando não as conhecemos. Creio que há neste momento algumas situações dessas. Um absurdo.
Qualquer remodelação de um executivo, seja ele qual for, é da responsabilidade de quem o lidera. Se as opções acertarem, vai certamente retirar ganhos disso, sobretudo eleitorais e políticos. Ser falhar obviamente que terá que agir em conformidade.
Mas não me fico por este chavão. Num governo há escolhas que são feitas pelos seus membros, escolhas pessoais, com as quais o líder do governo não tem rigorosamente nada a ver.  No caso concreto desses diferentes departamentos governamentais, se as coisas funcionarem muito bem, ganhamos todos, ganha a RAM. Se falharem, se se perceber que nem a estrutura funciona nem as pessoas escolhidas estiveram à altura das exigências, então nesse caso não podemos protelar o que tem que ser imediatamente resolvido. Doa a quem doer, custe o que custar.
Nestes momentos há uma coisa que se recomenda a todos: o benefício da dúvida (LFM)

O estranho erro de Costa

Eu acho estranho que um político experimentado como António Costa, que sempre viveu, e há muitos anos, da gestão mediática da sua imagem e da comunicação, tenha cometido um erro comunicacional tão grave como aquele que aconteceu na madrugada de terça-feira quando se dirigiu aos portugueses no âmbito da terrível noite dos incêndios que assolaram o nosso país.
O que ouvimos foi uma comunicação demasiado institucional, seca, distante das pessoas, sem novidades, repetindo argumentos e ideias pisadas e repisadas desde Pedrogão Grande, e que não conseguiu suscitar nas pessoas, a braços com dramas imensos, qualquer sentimento de gratidão, ligação ou mesmo atenção.
Costa foi estranhamente "desumano", distante das pessoas, indiferente ao facto do Estado ter falhado e de ele precisar, por isso, de ter a humildade de pedir desculpa aos mortos e a todos aqueles que perderam tudo ou quase tudo, devido às palermices do estado e ao falhanço de uma ministra que podendo ser, e dizem que é, boa pessoa, podendo ser, também garantem que sim, uma técnica competente, não revela qualquer perfil para a política e para o acto da governação. Além de que o falhanço de todo o sistema no combate aos incêndios é da sua responsabilidade.
Confesso a minha estupefacção por esta fragilidade de Costa em termos de comunicação política, porque é disso que falamos.

Moção de censura virada mais para PC e Bloco...

Desconfio que a moção de censura do CDS hoje anunciada - legítima - mais do que uma tentativa de Cristas, mais uma, para tentar liderar a direita - e o facto de levar o esfrangalhado PSD do moribundo Passo a reboque é disso a prova provada - ela pretende provocar um debate político mas sobretudo aposta na provocação os parceiros do PS na geringonça. Estou desejando de ver quais os argumentos que PCP e do Bloco utilizarão para votar contra a moção - facilmente se prevê que comunistas e bloquistas vão ficar amarrados a este governo do PS, deixando por isso - depois das derrotas eleitorais de ambos nas autárquicas - de julgar que enganam os portugueses quando fazem crer que estão com uma perna em cada margem do rio. Vai ser lindo seguir o debate. Se vai!

Santana Lopes, o oportunismo do costume

Acho uma vergonha Santana Lopes - sempre oportunista - anunciar a candidatura ao PSD e continuar como comentador na SIC Notícias. Vergonhoso. Acho lamentável que a estação de televisão em causa não tenha tido a dignidade de ter tomado a decisão que ética e deontologicamente seria sempre a mais correcta quando Santana anunciou estar na corrida para o PSD. Basta MRS que foi eleito presidente graças aos comentários nas televisões. E que teve, depois de de eleito a suprema lata de vir comparar gastos com campanhas eleitorais com os seus adversários. Descaramento e falta de vergonha, Já chega de enlatados "made in TV". Felizmente - nota complementar - que ontem foi o último programa uma vez mais usado como tempo de antena para um candidato à liderança do PSD que devia ter deixado essa função de comentador no dia em que decidiu entrar na corrida.

Sábado o quê?

Já se percebeu que António Costa no conselho de ministros extraordinário de sábado vai analisar os dois relatórios sobre os incêndios e anunciar a tomada de medidas adequadas. Uma delas o pagamento imediato de indemnizações. Mas já de percebeu que ele vai ter que remodelar o governo, não apenas em termos de pessoas, mas em termos sobretudo de estrutura. Há pelo menos dois ministros com a cabeça na guilhotina. A floresta passou a estar na primeira página da agenda ao contrário do que antes acontecia. Foi preciso morrer quase 100 pessoas?

MRS acelera demissão...

Marcelo Rebelo Sousa foi igual a ele próprio. A comunicação feita ontem ao país mais do que recados e avisos ao governo e a António Costa, foi uma porta aberta para que a ministra da administração interna se demitisse no dia seguinte, o que realmente veio hoje a acontecer. MRS deve-se ter sentido o MRS da televisão, gerador de factos políticos, polémico, demagógico, mas sobretudo contundente e deixando um rasto de "destruição"...

segunda-feira, outubro 16, 2017

Os mistérios e as perguntas sem resposta a propósito do modelo do subsídio de mobilidade em relação ao qual o Estado devia ser mais exigente

Há uns tipos que sempre se fala nos escandalosos preços das viagens entre a Madeira e Lisboa - essa pouca vergonha que não passa de um roubo feito pela TAP levando a reboque as companhias privadas - misturam logo geringonça com laranjal e outras trampas do costume.
O problema é simples. 
1 - Os preços praticados pela TAP e a outra companhia privada nas ligações entre RAM e Lisboa são um roubo. Ponto. Inicialmente era apenas nalgunas épocas do ano, agora há uma tendência para se generalizarem para valores médios da ordem dos 350 euros.
2 - Não há regras de mercado coisa nenhuma a justofoicar esta situação, porque as empresas é que ditam essas regras em função dos seus interesses porque há alguém que deixa que isso acnteça. Se querem mamar sobem preços, se querem mamar mais devagarinho para não serem prejudicadas, baixam preços com medo da concorrência. 
Contudo, e neste caso da Madeira, não há alternativas para os madeirenses! Os continentais podem usar carro próprio, combóio, taxi ou vir a pé se quiserem, do Porto, Coimbra, Algarve a Lisboa. No nosso caso nem a nado chegamos lá.

domingo, outubro 15, 2017

As vuvuzelas intriguistas que vivem da manipulação e do insulto

Há uma coisa que me tem incomodado, ainda a propósito da remodelação do governo regional. Desconfio que andam por aí umas vuvuzelas intriguistas - o costume! - a passar para alguns meios de comunicação social informações (ou sugestões) selectivas, devidamente trabalhadas sabe-se lá onde, obviamente destinadas a usar e manipular a comunicação social, informações essas que tentam denegrir as pessoas envolvidas na dança de cadeiras, como que a tentarem justificar opções políticas que foram tomadas e estão devidamente assumidas publicamente por quem de direito - Miguel Albuquerque.
Aliás acho que essas fofoqueiras dos esgotos da política regional  não precisam de andar mais a denegrir seja quem for, porque as mudanças estão feitas - resta saber se terão ou não o efeito pretendido - e tudo estará consumado na terça-feira, com a posse
Mas há um outro lado da moeda, ainda mais obscuro, mais enterrado na porcaria dos esgotos políticos: a deliberada intenção de lançar a confusão, de denegrir publicamente algumas pessoas para provocar nestas um compreensível desnorte e uma irritação furiosa, alimentadas pela dúvida sobre as origens e propósitos de tais campanhas, ao ponto de as levarem a tomar decisões extremadas e vingativas que seriam desastrosas para quem as tomasse e que provavelmente - essas sim - teriam efeitos nefastos a vários níveis.
Por isso apelo não apenas ao cumprimento de regras deontológicas, mas à racionalidade na apreciação de determinadas situações mais melindrosas num dado momento (LFM)

sexta-feira, outubro 13, 2017

Sondagem: parece que alguém entendeu (tarde) esta realidade...


Radiografia: A economia portuguesa à lupa

Os dados das Contas Nacionais por setor institucional do segundo trimestre confirma algumas das tendências do passado recente. O défice orçamental está a baixar e tudo aponta para que possa ficar abaixo da meta deste ano. A taxa de investimento das empresas está a recuperar, mas a um ritmo lento. As poupanças familiares estão em mínimos históricos. E o peso dos salários no PIB continua a crescer, mas mantém-se muito abaixo dos valores pré-crise (infografia de Mário Malhão, Jornal Económico)

Autárquicas 2017: um mapa mais cor de rosa

Últimas eleições autárquicas resultaram num resultado histórico para o PS, que pela primeira vez obtém mais de metade das presidências das câmaras municipais do país, sozinho ou numa lista de coligação (infografia de Mário Malhão, Jornal Económico)

Primeira sondagem pós-autárquicas: PS, BE e PCP sobem, PSD e CDS descem...

Em vésperas de orçamento, toda a esquerda regista subidas na intenção de voto. Popularidades de PM e líder do CDS crescem o mesmo. Passos regista um quarto do saldo que tinha há um ano. Os bons resultados de PS e CDS nas eleições autárquicas tiveram repercussão nas popularidades dos respetivos líderes: António Costa e Assunção Cristas, os dois vencedores da noite de 1 de outubro, veem os seus saldos crescer exatamente os mesmos 1,6% cada um no barómetro mensal da Eurosondagem para o Expresso e SIC. Maior variação, mas de sinal contrário, só na popularidade de Pedro Passos Coelho: o presidente do PSD (que já tinha assumido ir deixar o cargo, aquando da realização desta sondagem) decresce 3,6% em relação ao mês passado. O seu saldo é agora de 4,4% (45% menos do que os 8% que tinha em setembro), muito perto do valor mais baixo que registou desde que passou de primeiro-ministro a líder da oposição — 3,6% em dezembro de 2015. Mas é na comparação com o que tinha há exatamente um ano que a sua queda ganha outra expressão: em outubro de 2016, o seu saldo era quase quatro vezes superior (16,6%).

AMRAM e AMF: muita teoria mas falta o acordo total

As movimentações políticas de bastidores em torno da presidência da AMRAM-Associação dos Municípios da Madeira, apesar de poderem gerar uma espécie de "gerigonça à madeirense", está longe de estar garantida.
Segundo apurei, esta espécie de acordo para a liderança da AMRAM está ligado às movimentações ainda em, curso para que seja eleito para a presidência da Assembleia Municipal do Funchal uma personalidade da oposição, concretamente o médico Mário Rodrigues que liderou a lista social-democrata.
Apesar de existirem negociações, o acordo final estará longe de ser obtido.
Vamos desenvolver os dois assuntos.
Começando pela AMRAM.
A ideia do PSD - que no fundo tem sido o mentor destas movimentações - é juntar as Câmaras Municipais não socialistas - as 3 do PSD, Calheta, Câmara de Lobos e Porto Santo mais a Câmara de Santana, do  CDS - é impedir a eleição de Paulo Cafofo para a liderança da AMRAM.
O problema é que se é previsível que o líder da coligação funchalense consiga reunir os votos do Porto Moniz, Machico e Ponta do Sol - Câmaras associadas ao PS - e Santa Cruz, da JPP, continuam a faltar, aos dois lados, duas Câmaras que se encontram nas mãos de cidadãos, São Vicente e Ribeira Brava. É por elas que passará a solução. Para PSD e CDS o apoio de ambas daria os 6 votos em 11 necessários para ganhar e para que o autarca de Santana, Teófilo Cunha, seja eleito. Para os autarcas da esquerda, os dois eleitos em candidaturas de cidadãos, Ricardo Nascimento e José António Garcês, determinariam também os mesmos 6 votos necessários a garantir a eleição de Cafofo.
O acordo PSD-CDS passa ainda por esclarecer a composição do  Conselho Executivo da AMRAM já que não vemos que, para além de Nascimento e Garcês, também Pedro Coelho e Carlos Teles não integrem executivo.
Quanto à Assembleia Municipal do Funchal é uma questão de contabilidade de votos e de entendimentos políticos, embora o cenário me pareça muito mais complexo. Vejamos.
A Assembleia Municipal do Funchal é constituída por 33 eleitos - 15 da Coligação, 12 do PSD, 3 do CDS, 1 do  PCP, 1 do MPT e 1 do PTP. A estes juntam-se os presidentes das Juntas de Freguesia do  Funchal, 5 da Coligação (São Martinho, Santa Maria Maior, São Pedro, São Gonçalo e Imaculado  Coração de Maria) e 5 do PSD (Santo António, Sé, Santa Luzia,  São Roque e Monte). Isto significa que PSD e CDS, que parecem já ter um acordo, totalizam apenas 20 votos em 43, longe dos necessários para garantir a eleição do presidente da Assembleia Municipal.  Previsivelmente, e apesar das divergências entre alguns dos partidos mais pequenos e a coligação de Cafofo, não vemos muito sinceramente que tanto MPT de Roberto Vieira, como o PTP de José Manuel Coelho ou mesmo o PCP de  Edgar Silva - apesar de afastado do executivo da CMF - se coliguem ao PSD+CDS. Por isso, julgo que esta estratégia não deverá resultar. Como facilmente se depreende, basta que se façam contas... (LFM)

A remodelação pode provocar a alteração de 20% do grupo parlamentar do PSD-Madeira

Como? Muito simples.
Rubina Leal, que perdeu na corrida para a CMF, entrou na ALRM saindo Gualberto Fernandes que chegou a ser falado para a CM da Ponta do Sol, vendo-se afastado dessa eventual candidatura num processo ainda algo enigmático. Nivalda Gonçalves, derrotada na Ribeira Brava pela candidatura liderada por Ricardo Nascimento, regressou, saindo Claudia Gomes.
Parece que Eduardo Jesus já confirmou que vai voltar. Se o fizer sairá o atual deputado José Francisco Nunes. E se Sérgio Marques regressar ao parlamento regional, será a vez do ainda deputado Paulo Freitas devolver-lhe o lugar. Finalmente, embora não se saiba ainda se isso vai acontecer, caso o secretário-geral do PSD-M, Rui Abreu, decida assumir também o seu lugar de deputado - a exemplo do secretário-geral do PSD nacional - isso significará a saída de Marco Gonçalves.
Ou seja se estas movimentações se confirmarem todas, temos 5 regressos e 5 consequentes saídas, o que significa alterações em quase 20% da composição do atual grupo parlamentar social-democrata na Assembleia da Madeira. Uma curiosidade apenas.

quinta-feira, outubro 12, 2017

As direções regionais que dependem de Sérgio Marques

Com a nova estrutura do governo regional madeirense também Sérgio  Marques - que na realidade era o nº 2 do executivo ainda em funções apesar  de nunca ter ganho o estatuto de vice-presidente - decidiu, segundo o próprio, abandonar as funções governativas, prevendo-se que algumas direcções regionais se  mantenham sob a liderança de Amílcar Gonçalves e outras sejam distribuídas:
  • DRAECE - Direção Regional de Assuntos Europeus e Cooperação Externa - Bruno Pereira
  • DRPRGOP - Direção Regional de Planeamento, Recursos e Gestão de Obras Públicas - Ricardo Reis
  • DRAJ - Direção Regional da Administração da Justiça - Jorge Freitas
  • DRESC - Direção Regional do Equipamento Social e Conservação - Amílcar Gonçalves (novo secretário regional)
  • DRE - Direção Regional de Estradas - António Ferreira

Estas são as actuais direcções regionais das Finanças e da Economia

Caso a nova estrutura do governo regional madeirense se mantenha, e dado o movimento de titulares das pastas das Finanças e da Economia, sendo por isso de prever que venham a ser introduzidas alterações - porventura até juntando alguns departamentos - recordo quais são as direcções regionais, e titulares, que presentemente dependem de Rui Gonçalves e de Eduardo Jesus que não farão parte do próximo gabinete de Miguel Albuquerque:

Finanças
  • AT-RAM - Autoridade Tributária e Assuntos Fiscais da Região Autónoma da Madeira - Lina Maria Ferraz Camacho Albino 
  • DRPaGeSP - Direção Regional do Património e de Gestão dos Serviços Partilhados - Hélder Heliodoro Pinto Correia Fernandes 
  • IRF - Inspeção Regional de Finanças - Lucilina Vitória Spínola Sousa 
  • DROT - Direção Regional do Orçamento e Tesouro - Duarte Nuno Nunes de Freitas
  • DREM - Direção Regional de Estatística da Madeira ­- Paulo Jorge Baptista Vieira
  • DRAPMA - Direção Regional da Administração Pública e da Modernização Administrativa - Ana Isabel Teixeira da Fonte Luís Jardim 

Turismo

  • DRT - Direção Regional do Turismo - Kátia Carvalho
  • DRC - Direção Regional da Cultura - Natércia Xavier
  • ARAE - Autoridade Regional das Atividades Económicas - Rogério de Andrade Gouveia
  • DRET - Direção Regional da Economia e Transportes - Isabel Catarina Rodrigues
  • DRIVE - Direção Regional da Inovação, Valorização e Empreendedorismo - Jorge Vale Fernandes

Televisão: jornalistas usados por advogados e políticos e comentadores beneficiados do espaço mediático

Muito sinceramente eu acho que é tempo dos jornalistas darem um murro em cima da mesa - se é que ainda há dignidade para isso. Um conferência de imprensa é um diálogo, não um monólogo. Se querem divagar, se querem perorar idiotices, se querem apenas divulgar comunicados sectários que não passam da visão sectária  de advogados e acusados, enviem a papelada para as redacções que depois serão objecto de tratamento jornalístico.
Transformar os jornalistas em sopeiros, repito, de sopeiros, de vaidades pessoais, de caganças sociais, de manipulações disfarçadas (mal) e de ambições mediáticas - aliás na política é o mesmo - isso é um insulto. Espanta-me que os jornalistas, perante as repetidas situações, e apesar da complexidade e da precariedade existente no sector nos dias que correm - eu sei isso tudo - continuem aceitando pacificamente fazer esse papel ridículo de meros sopeiros, repito e insisto, de sopeiros, de políticos, advogados, banqueiros, seja quem for.
Outra questão: desafio os meios de comunicação sobretudo as televisões, a deixarem de dar espaço a advogados que usam essa projecção mediática em seu benefício e dos seus gabinetes. Encher a pança com milhões como acontece em Lisboa com vários gabinetes de advogados - tudo a reboque de participações em programas de televisão ou da presença como comentadores (quase exclusivos) sempre que a justiça é debatida, é uma vergonha que pode revelar uma estranha cumplicidade entre jornalismo e advocacia, pelo menos alguns dos gabinetes mais conhecidos, propriedade de alguns dos mais mediatizados advogados. Os efeitos disso? Nas facturas finais dos trabalhos...
As televisões que passem a usar jornalistas dos seus quadros licenciados em direito, facilitem a sua valorização profissional e e especialização em áreas mais necessárias da advocacia e certamente que tudo mudará de figura.
Até nos programas desportivos são os advogados a terem espaço exclusivo, durante anos, com vantagens pessoais e profissionais inegáveis, além do que as televisões lhes pagam. E não é nada pouco, podem acreditar
O caricato de tudo isto é que basta vermos também programas de economia nas televisões e o problema é o mesmo, neste caso por vezes com a cumplicidade de  jornalistas competentes, licenciados em economia ou finanças e que não precisam de bengalas para mostrarem o que sabem e ganharem credibilidade.
Serás que as televisões poderiam divulgar a lista de todos os seus comentadores e colaboradores permanentes externos e de quais as personagens que são sempre convidadas para comentários em estúdio, tudo isto em função do tema em análise? Seria interessantíssimo. Garanto que sim. (LFM)

quarta-feira, outubro 11, 2017

Ânsia de protagonismo televisivo? Só?

Hoje achei piada numa coisa. Piada, salvo seja, porque este caso suscitaria uma discussão quer sobre os critérios das televisões quanto à opinião específica em determinadas matérias, quer sobre a ânsia demonstrada por certos indivíduos em terem mediatismo televisivo, provavelmente pelo que de vantajoso daí resulta, não sei. Um conhecido advogado, esteve no Canal 3 da RTP a perorar sobre o caso Sócrates. Hora e meia depois, o mesmo estava sentado no estúdio da SIC para perorar sobre o mesmo tema. Será que mais ninguém pode emitir opinião nalgumas televisões sobre determinadas assuntos em concreto? Curioso este poder de multiplicação. Só não sei se também foi à TVI...

As dúvidas (orgânicas e outras) que a remodelação me deixa

Depois de um primeiro comentário feito aqui sobre a remodelação do executivo regional, e depois de ter percebido devidamente a nova estrutura orgânica agora proposta e lidas diversas declarações proferidas por governantes -que terão sido dispensados ou se dispensaram - ficam-me dúvidas quanto a algumas questões, as quais que não passam de opiniões pessoais:
- O presidente do PSD-Madeira reuniu a Comissão Permanente do partido ou vai reunir, ou o partido foi dispensado de se pronunciar neste processo?
- Há declarações feitas à margem este processo que tal como eu previa - escrevi isso no primeiro comentário - rapidamente alimentaram histórias de bastidores que vão certamente mobilizar as atenções dos média, declarações essas que precisam de ser cabalmente esclarecidas;
- O processo de remodelação foi pacífico ou deixou marcas políticas e pessoais, dado que não podemos esquecer que existe uma maioria absoluta de apenas um deputado no parlamento regional e que há membros do governo agora dispensados (ou que se dispensaram) que podem reassumir os seus lugares. Desculpem-me a franqueza mas as coisas têm que ser ditas;
- A orgânica das demais secretarias regionais, nas quais não houve mudanças, são as adequadas e funcionam eficazmente e sem obstáculos? Por exemplo, e num meio tão pequeno e específico como o nosso, será que a tutela sobre a agricultura e a água de rega pode estar em departamentos diferentes? Se calhar até faz sentido e quem não percebe patavina disto sou eu;
- Se é Pedro Calado quem passou a ter a responsabilidade pela coordenação política do governo (pensava eu que isso era tarefa de quem lidera um executivo), como é que a pasta dos assuntos parlamentares está nas mãos de outro membro do Governo (Educação)? Haverá por acaso, quando se fala em política e governação, área em que a coordenação seja mais política é mais necessária, por múltiplas razões, que os assuntos parlamentares? Politicamente passa muita coisa pelo parlamento hoje em dia, muito mais do que acontecia no passado.
Na perspectiva das regionais, legislativas nacionais e europeias de 2019, alguém duvida que a Assembleia Legislativa e a rua - através da comunicação social - serão os dois palcos privilegiados do combate político regional e, portanto, é aqui que toda a coordenação política, seja ela qual for, deve estar concentrada.
Repito, estas minhas dúvidas nada têm a ver com as aptidões políticas de Jorge Carvalho, bem pelo contrário. Tem a ver apenas e só com a nova estrutura orgânica;
- Crescem também dúvidas sobre a possibilidade de Pedro Calado poder ficar a braços com uma super-pasta e que isso origine dificuldades funcionais. Feitas rapidamente as contas e considerando os serviços hoje dependentes da Economia e das Finanças - salvo se novas mudanças forem feitas - estamos a falar entre 15 a 20 direcções regionais, serviços, institutos públicos, etc.
A área das finanças por si só é desgastante e vai criar problemas complexos até final do mandato. A economia tem desafios pela frente e processos negociais que exigirão muito de quem tutelar o sector. Embora acredite nas capacidades das pessoas, na competência, na experiência e nas suas boas intenções, o pior que poderia acontecer seria constatar-se, a curto prazo, que afinal a nova orgânica não funciona e que precisa de ser de novo alterada.
Recomendo que esta questão orgânica seja discutida e devidamente ponderada porque há factores que não podem ser desvalorizados, sob pena de tudo isto se virar depois contra quem decidiu (LFM)

Nova composição do Governo madeirense

Será esta a futura composição do XII Governo da Região Autónoma da Madeira:
- Presidente do Governo – Miguel Filipe Machado de Albuquerque
- Vice-Presidente do Governo – Pedro Calado (com as áreas das Finanças, da Economia, dos Transportes e com a coordenação política)
- Secretaria Regional do Turismo e Cultura – Paula Cabaço (Turismo, da Cultura e Assuntos Europeus)
- Secretaria Regional da Inclusão e dos Assuntos Sociais – Rita Andrade (Inclusão, Assuntos Sociais, Habitação)
- Secretaria Regional da Educação – Jorge Carvalho (Educação, Juventude, Desporto, Assuntos Parlamentares e Comunidades)
- Secretaria Regional da Agricultura e Pescas – Humberto Vasconcelos (Agricultura e  Pescas)
- Secretaria da Saúde – Pedro Ramos (Saúde e Proteção Civil)
- Secretaria Regional do Ambiente – Susana Prada (Ambiente, Florestas e Mar)
- Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas – Amílcar Gonçalves (Infraestruturas e Equipamentos)

Nota: o sector das Comunidades Madeirenses que era tutelado por Sérgio Marques, passa para o titular da Educação enquanto que os Assuntos Europeus foram anexados à pasta do Turismo)

Madeira: Albuquerque anuncia remodelação governativa

Uma remodelação de governo em plena legislatura, resulta sempre da confluência de vários factores que de uma forma ou de outra, uns mais do que outros, a justificam e determinam. E podem não ser motivos políticos ou eleitorais apenas.
Uma remodelação deve sempre resultar da decisão do próprio chefe do governo, seja ele nacional ou regional. Neste caso Miguel Albuquerque remodelou depois das autárquicas, não apenas porque houve uma clara fragilização eleitoral - não vamos discutir as causas próximas disso nem a sua vigência temporal  que pressuponho efémera - e provavelmente porque a meio do mandato sentiu que havia necessidade de fazer não apenas um "refresh" mas provavelmente um "upgrad". 
Miguel acaba por chamar nesta mudança dois antigos companheiros do último executivo camarário - Pedro  Calado, membro da Comissão Política  Regional do PSD, que sempre foi o homem forte da equipa do actual chefe de governo enquanto autarca, e Amílcar Gonçalves, que era director regional de Sérgio Marques, integrou a lista de Rubina Leal em posição de destaque e que também integrou nos últimos anos do mandato a equipa executiva de Albuquerque na CMF. Presumo que Amílcar Gonçalves é essencialmente um técnico, identificado com as áreas de passará a tutelar. A verdade é que também não se espera grande protagonismo político nos sectores que vai liderar
Surpresa a ascensão de Paula Cabaço, antiga presidente do IBVM cuja promoção, na minha opinião, pode ser entendida como uma escolha fora do "sistema" e dos inúmeros interesses que se cruzam, impedindo assim fraccionamentos num departamento governamental - turismo - que não se compadece nem com vaidades pessoais nem eventuais com guerras de protagonismos entre quem for. Paula Cabaço tem experiência do que é o contacto com mercados, sabe o que é fazer promoção só que em vez do vinho e do bordado terá agora pela frente uma área de intervenção bem, mais vasta, a do turismo, além de que terá que lidar com um sector em alta, mas que tem especificidades próprias, que depende muito de factores exógenos,  dado que tem dependido também e muito da conjuntura internacional e da instabilidade nalgumas partes do mundo que geraram uma mudança de rotas no fluxo turístico europeu.
Esta remodelação acabou por gerar a saída de três governantes - Rui Gonçalves, Sérgio Marques e Eduardo Jesus que aparentemente eram os executivos mais fortes na equipa cessante, logo depois de Albuquerque. Este facto pode eventualmente alimentar histórias que, sim ou não, e com o tempo, podem ser suscitadas, sobretudo na e pela comunicação social. Gonçalves tomou a iniciativa dias depois das eleições, Eduardo Jesus poderia estar eventualmente fragilizado devido ao impasse nalguns dossiers que repetidamente eram (serão) usados pela oposição,casos do ferry e do modelo do subsídio de mobilidade em vigor. Sérgio Marques que na realidade era uma espécie de nº 2 acaba por ser uma surpresa, embora olhando à estrutura governativa hoje anunciada, era clara a total incompatibilidade entre a sua continuidade e a chegada de Pedro Calado.
Finalmente a questão concreta de Pedro Calado que acaba por ser o elemento que sai mais reforçado de toda esta mudança.
Em situações normais, os chamados nº 2 de qualquer governo chamam a si a responsabilidade de algumas, poucas, pastas, predominando uma delas. No caso concreto, Calado aparece hiper-carregado de tutelas na nova estrutura governamental, acrescido ainda da  questão política, sabendo-se, como se sabe, que depois dos resultados autárquicos esta foi uma matéria colocada em evidencia em várias frentes. O problema, ou não, é que Pedro Calado parece ter ficado com áreas demasiado pesadas e, responsabilidade que lhe vão exigir muito. Finanças e Economia - que continuo a pensar serem os pilares da governação regional porque em função delas podemos reunir recursos para outras áreas de intervenção governativa, nomeadamente as sociais - exigem muito e pode sobrecarregar Pedro Calado.
Acresce que tendo a coordenação política, Pedro Calado deixa de lidar com o parlamento regional e com a "praxis" do governo regional de ter uma relação institucional, normal e regular, facto que aparentemente não deixa de constituir uma contradição, sem gravidade. Mas complexa, porque a coordenação política do relacionamento entre os membros do governo e o parlamento, nomeadamente processo legislativo, debates, presenças em comissões, etc fica num membro do Governo e não no coordenador politico. Prevejo que possam surgir algumas dificuldades nesta gestão deste sector em concreto.
Penso que o segredo do novo Vice será o de escolher directores regionais com reconhecida operacionalidade, da sua confiança pessoal, que tenham competência técnica para as diferentes áreas a preencher. Se conseguir isso, se reunir uma equipa operacional, politicamente eficaz, tecnicamente competente, Calado terá todas as condições para descentralizar e dedicar-se mais a áreas que vão exigir mais dele do que outras (LFM)